Sobre nós

Ver mais



Prémios

Ver mais



Apoios

Ver mais



Simpósios

Ver mais

Notícias

Notícias

Brincar com os pais em casa facilita a adaptação das crianças ao ensino pré-escolar?

Estudo revela que crianças com maiores níveis de oxitocina registam melhor adaptação ao ambiente pré-escolar e que brincar com pais faz aumentar esses níveis.

Saber mais

A gratidão pode proteger-nos dos efeitos negativos do stress?

Investigadores concluem que a gratidão tem um efeito único de proteção do nosso organismo, tanto na reação, como na recuperação do stress psicológico agudo.

Saber mais

As flutuações de humor impactam na confiança quando tomamos decisões?

Estudo revela que na população adulta saudável as flutuações de humor não interferem com a confiança na tomada de decisões.

Saber mais

Notícias

Serão similares as experiências de quase morte (EQMs) e as experiências psicadélicas?

Pascal Michael e colaboradores analisaram as semelhanças e diferenças entre uma EQM, durante um estado de coma, e uma experiência induzida por uma droga psicadélica endógena (5-MeO-DMT). De forma global, observou-se um elevado nível de comparabilidade entre a EQM e a experiência psicadélica, emergindo temas comuns, tais como, transcendência do espaço-tempo, dissolução do ego e amor universal. No entanto, também surgiram temas específicos nas EQM que não estavam presentes na experiência psicadélica, designadamente revisão da vida, encontro com uma entidade falecida e limiar sem retorno. Apesar das convergências observadas em vários domínios, ambas experiências foram consideradas como totalmente diferentes pelo participante. Para saber mais sobre este estudo, consulte o artigo This is your brain on death: a comparative analysis of a near-death experience and subsequent 5-Methoxy-DMT experience publicado na revista científica Frontiers in Psychology, no âmbito do projeto de investigação 359/18 - DMT and Epileptiform activity as an integrative model of the Near-Death Experience: A phenomenological, psychometric and psychophysiological study, apoiado pela Fundação BIAL.

Saber mais

A execução da resposta motora faz parte do processo de decisão?

Michele Scaltritti, investigadora principal do projeto de investigação 79/20 - Redefining the boundaries between cognition and action through the psychophysiological investigation of binary decisions, apoiado pela Fundação BIAL, publicou no Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance o artigo Redefining the Decisional Components of Motor Responses: Evidence From Lexical and Object Decision Tasks. A equipa de investigação pretendia analisar se a execução da resposta motora integra ou não o processo de decisão. Recorrendo ao sinal eletromiográfico (EMG) dividiram o tempo de reação no tempo pré-motor (intervalo de tempo entre o início do estímulo e o início da atividade EMG) e no tempo motor (intervalo de tempo desde o início do pico de amplitude do EMG até ao pressionar do botão), para avaliar se o processo de decisão termina antes do início da resposta ou, pelo contrário, se ainda persiste durante a execução da resposta motora. Os resultados apoiam esta última perspetiva, isto é, a execução da resposta motora está integrada na dinâmica de decisão em curso.

Saber mais

Como a informação espacial modela a aprendizagem Pavloviana?

Foi publicado o artigo Threat learning in space: How stimulus-outcome spatial compatibility modulates conditioned skin conductance response, na revista científica International Journal of Psychophysiology, no âmbito do projeto de investigação 47/20 - Fear in action: How Pavlovian fear learning shapes goal-directed motor responses liderado por Francesca Starita. Os participantes completaram uma tarefa de condicionamento Pavloviano na qual estímulos visuais condicionados - ECs (quatro formas geométricas diferentes) apareciam no mesmo lado (compatível) ou no lado oposto (incompatível) do estímulo incondicionado (EI) (choque aversivo numa mão), enquanto era registada a resposta condutância da pele (RCP), servindo como índice de aprendizagem. Os participantes não foram previamente informados sobre que os estímulos estariam associados ao choque e tiveram de aprender a relação ECs-EI por experiência. Os resultados mostram que, antes de saber quais ECs prediziam o choque, os ECs compatíveis (ECs+) desencadearam maior RCP média do que os incompatíveis (ECs-). Por outro lado, durante a fase aquisição, quando os participantes aprenderam que ECs compatíveis e incompatíveis previam a administração de choque, a RCP aumentou tanto para os ECs+ como para os ECs-, indicando que a resposta condicionada foi adquirida com sucesso, independentemente da compatibilidade do EC. Além disso, no início da extinção, a resposta condicionada foi maior para ECs incompatíveis do que para compatíveis, mas foi extinta para ambos no final. Estes resultados sugerem que a compatibilidade espacial entre o estímulo e o resultado influencia a aquisição, a extinção e a recuperação do condicionamento aversivo.

Saber mais